Matéria

  • Home /
  • Liberalismo econômico - Laisser Faire

Liberalismo econômico - Laisser Faire

Liberalismo econômico - Laisser Faire

O título, expressão francesa que em sua versão mais ortodoxa indica” deixa ficar ou livre para ir”. Em nosso linguajar mais tupiniquim podemos pensar em “deixa assim, para ver como é que fica”.de qualquer maneira, essa expressão de liberdade deve por imperativo, ser como manto da ordem e do progresso. Em leitura da obra terceirização, dos autores, Lívio Giosa e Vander Morales, em sua 10ª edição ampliada, no capítulo da página 200 dá uma dimensão da terceirização do setor público, dando ao estado seu tamanho ideal e condições de maximização de suas atividades e objetivos. Há tempo, clamamos por um Estado liberal isento de qualquer viés ideológico, desejamos ser livres e independentes.

Queremos ampliar as nossas fronteiras comerciais, queremos deixar o Estado pronto para ser competitivo na arte de vender e comprar com qualquer país do mundo. Queremos que os espaços geoeconômicos fiquem livres para os protagonistas na arte de negociar. Iniciei o artigo sobre a liberdade econômica, destacando em grifo, “como manto da ordem e do progresso”. Como seria possível? Pois bem! Sabemos que o nosso país, atravessou um longo período de abandono, vivenciamos nas duas últimas décadas   o aparelhamento do Estado com ideologias de ordem não democráticas. Criaram feudos políticos para garantir permanência no poder, período maquiavélico, sem dúvida. Período de descaso, desmandos e muitos infortúnios. Aqui não vamos adentrar nas mazelas deixadas por governantes anteriores, agora o nosso interesse é olhar para frente com novos horizontes.

Com o advento da globalização, o mundo ficou muito pequeno. Os meios de comunicação nos mostram em um piscar de olhos à ampliação das desigualdades sociais, na mesma proporção que nos mostra a riqueza, também nos mostra a pobreza, cenário ora sombrio ora auspicioso. Perguntamos, qual seria o papel do estado para diminuir essas desigualdades sociais? Elegemos o governo Bolsonaro, para desatar esse nó górdio que emperra o crescimento de nosso país.

Privatizar é preciso, desestatizar é preciso, terceirizar é preciso, desburocratizar é preciso, educar é preciso e diminuir as desigualdades sociais é imperativo. O Estado como atividade deve se preocupar com as leis, saúde, segurança e educação. Neste particular, pondera dr. Lívio Giosa em sua obra que o Estado pode perfeitamente, em alguns casos, ser objeto de parceria com terceiros de suas atividades. Qual seria o papel do cidadão? Criar riqueza através do trabalho, no seu conjunto promover a ordem e o progresso da nação, pois bem, delineados esses princípios, cada um cumprindo o seu papel, objetivando o ponto comum de inflexão. Sonho possível? Sim!! Louvemos o senhor.

Leonildo Carvalho
Graduado em Economia de Empresa (PUC-SP). 
Economia para Executivo (Getúlio Vargas - Lato Senso). 
Pós graduação em Economia de Empresa (PUCC - Lato Senso).

Tags: Política


Artigos Relacionados

Adicionar comentário


Vinhedo, SP

Rua São Thomé, 58 Santa Claudina,
CEP 13.280-000

Número de Telefone

+55 (19) 3876-6989

Fampage